O Google Ads, antigo Adwords, é uma das plataformas mais conhecidas de links patrocinados e proporciona às empresas uma oportunidade de anunciar seus produtos ou serviços de forma fácil e rápida, atraindo mais consumidores pela internet.

Recentemente, a plataforma foi renovada e integrada a um sistema de marketing do Google e, com isso, ganhou novos recursos. Neste artigo explicamos o conceito, as novidades e como empresas podem se adaptar ao Google Ads. Acompanhe!

 

O Google Ads e seu funcionamento

Sabe aqueles anúncios em texto que são mostrados no topo ou no fim da página de resultados do Google em resposta à pesquisa por uma palavra-chave? E quando propagandas são mostradas no meio de um jogo ou outros aplicativos gratuitos? Essas são ações de marketing feitas no Google Ads.

Os anúncios criados na plataforma podem ser veiculados em aplicativos, no YouTube, sites parceiros ou no próprio buscador. Além disso, é no Google Ads que o gerenciamento, as mensurações e otimizações são realizadas.

Os anúncios, que podem ser segmentados por público-alvo, palavras-chave, tópicos ou mesmo por sites e aplicativos específicos (no caso da propaganda na rede de display), são uma ótima maneira de divulgar produtos, serviços e conteúdos para pessoas que estão buscando uma solução, sendo bastante eficazes para leads de fundo de funil.

 

As mudanças para o anunciante

As novidades no Google Ads surgiram para simplificar o trabalho do anunciante, que hoje tem uma plataforma integrada aos demais serviços de marketing da empresa. Após receber feedbacks do mercado e perceber a necessidade de um sistema mais claro e simples de utilizar, a reformulação foi feita e, com isso, surgiram novos recursos.

Para que o anunciante consiga aumentar sua performance na utilização da plataforma, a nova interface tem características de inteligência artificial e machine learning que ajudam nas otimizações e, assim, facilitam a análise e construção de estratégias.

Ao entrar no Google Ads, para quem conheceu a plataforma antiga, a diferença no design é notável. O painel facilita a visualização de métricas de performance, como novas palavras que surgiram em pesquisas recentes e anúncios que mais foram veiculados, além de recomendar ações de melhorias, o que facilita a gestão.

Essas sugestões comparam a performance das campanhas atuais com os objetivos do anunciante e permite que mudanças sejam feitas com apenas alguns cliques. É um recurso bem interessante para quem não tem tanto conhecimento da plataforma ou em leitura de dados e indica as áreas que mais precisam de atenção.

Outro benefício do Google Ads é a possibilidade de criar painéis customizados com dados que podem ser combinados com as métricas que mais interessam ao anunciante. Assim, é possível criar relatórios e observar a performance dos anúncios em tempo real e elaborar estratégias e ações para melhorias e o alcance dos objetivos.

No antigo Adwords, na aba Dimensões, o anunciante podia analisar diversas métricas com facilidade, em um formato de tabela. Dados como quantidade de cliques, impressões e os custos médios estavam disponíveis nessa interface. No Google Ads, isso mudou.

A aba foi substituída pelo recurso Relatórios Predefinidos, que traz mais informações e facilita a visualização das métricas por meio de gráficos, o que agiliza a leitura dos dados, análise de tendências, geração de insights e ajuda na gestão mais estratégica.

Exemplo: digamos que um gestor queira saber qual é a relação entre o dia da semana, a posição do seu site na página de resultados do Google e as conversões em vendas dos seus anúncios. Por meio dos relatórios predefinidos, ele consegue visualizar gráficos que contribuem com a geração de insights, o que não era tão conveniente no Adwords.

Vamos à outra novidade. A segmentação demográfica, que já era possível no Adwords, é mais completa no Google Ads. Agora, é possível combinar informações. Você pode veicular anúncios para pessoas de uma faixa etária e gênero em específico, por exemplo. Essa novidade permite um melhor entendimento da performance da conta para cada persona.

Outra mudança é em relação ao posicionamento dos anúncios no Google. Não haverá mais veiculação de links patrocinados ao lado direito da página de resultados, o que era possível no Adwords. Hoje, isso acontece apenas no início e fim do buscador.

Além disso, os termos de alta relevância podem aparecer em maior quantidade nos resultados, o que não é tão interessante para quem não investe em anúncios, já que cuidados com o SEO (Search Engine Optimization ou Otimização para os Motores de Busca) serão ainda mais essenciais, devido ao menor espaço para links orgânicos.

 

A preparação das empresas

Para empresas que já costumavam utilizar o Adwords para veiculação de anúncios, antes da mudança, a principal adaptação será em relação à interface e novas posições dos menus. As funcionalidades permanecem as mesmas, com o bônus de serem mais visuais e descomplicar a leitura dos dados.

Quem é novo na plataforma e não entende seu funcionamento, em especial, donos e gerentes de pequenas e médias empresas, pode até ter certa dificuldade, mas os novos recursos de inteligência artificial e sistema de recomendações tende a ajudar muito o usuário a analisar sua performance, tomar decisões mais assertivas e ter resultados mais lucrativos. Esse público sempre pode utilizar a central de ajuda para retirar dúvidas sobre cada funcionalidade.

É importante dizer também que empresas que investem apenas em marketing de conteúdo e geração de tráfego gratuito, sem veiculação de anúncios, devem estar atentas ao fato de que os concorrentes podem ganhar mais espaço devido ao aumento de posições para propaganda. É preciso analisar mudanças nas páginas de resultado e, com base nisso, criar melhores estratégias, seja por ações de SEO, seja por meio do Google Ads.

A nova versão foi criada para agregar ao processo do anunciante que com a mudança pode fazer suas análises de uma maneira mais dinâmica e obter melhores retornos sobre os investimentos. Tudo o que já era conhecido no Adwords, se manterá no Google Ads, mas de uma forma mais ágil e simples, com novos recursos e design interativo.

Você quer aprender mais sobre marketing digital? Então aproveite para seguir a 2 Design e Comunicação no FacebookLinkedIn e Instagram.